Suvaqueando

May 19, 2011

Multa do mal!

Filed under: Desodorante — Bunny @ 10:50 pm

Como já tinha comentado em outro post, uma multa aplicada errôneamente andou me dando dor de cabeça já no início do ano.

Depois de provar por A+B, duas vezes seguidas o departamento de trânsito resolveu indeferir meu pedido e me fazer pagar uma multa que não é minha.

Na última vez que precisei me deslocar para ir até o departamento de trânsito da cidade vizinha, sim, porque na minha cidade não tem recurso(!!!), conversando com a mal humorada e desanimada atendente, ela me disse que levar a minha conta telefônica e provar que meu celular não estava com NENHUM tipo de atividade na hora citada na multa não era o suficiente, pois eu poderia estar com o celular de outra pessoa.

Bem, eu posso estar usando hipotéticamente o celular de alguma outra pessoa que eu conheço, e tenho certeza que levando TODAS as contas de celulares de TODAS as pessoas que conheço, com um argumento vago desse não seria possível provar, pois eles provavelmente diriam que deve ser o telefonde de alguém que eu não listei como conhecido.

Acho engraçado, eu posso estar mentindo e me enganando, mas o órgão de trânsito não.

Não que eles estejam mentindo, mas pode ter havido um engano. Essa hipótese nem se quer foi levantada.

Bem “bunito” isso mesmo. A cara das instituições autoritarias e unilateiras que representam o Estado. E você ai, votando na Dilma e achando que tá tudo bem.

April 13, 2011

Ponto Contra

O ponto do set das últimas semanas foi bastante suado para os jogadores do Vôlei Futuo.

O caso não teve muita repercursão na mídia porque o pessoal da imprensa prefere o sensacionalismo do massacre no Rio de Janeiro. Mas o episódio também foi chocante.

Parece que os mineirinhos torcedores do time de vôlei (que fique bem claro) do Cruzeiro, urravam “bicha” e coisas do tipo toda vez que o jogador Michael do Vôlei Futuro ia para o saque durante a primeira partida das semifinais da super liga masculina. Com conhecimento do causa ou não, o jogar é realmente homossexual.

Não deu outra, desconsentrado o time perdeu a partida.

Primeiro: Isso lá é coisa que se faça?

Segundo: Porque as pessoas ficaram tão surpresas ao saber que o jogador é abertamente homossexual e não se deu ao trabalho de ir à imprensa dizer aos quatro ventos?

Bem, ninguém vai a imprensa dizer que é hetero, então não há porque fazer o contrário se não for para atrair mídia.

E vô te contá hein, torcidinha de merda essa do Cruzeiro.

Juiz de futebol até que esta acostumado a ser chamado de viado (não estou dizendo que é certo) e ladrão. Mas jogador de vôlei eu nunca vi não.

A reação rápida do time do Vôlei Futuro na partida seguinte mostrando apoio incondicional ao jogador, colocando uma camisa com as cores do arco íries no líbero, bandeiras, bate-bates, camisas de aquecimento cor de rosa e um dos símbolos da homossexualidade em todos os uniformes foi fantástica. A direção e o pessoal do marketing estão de parabéns. Espero mesmo que os torcedores de São Paulo tenham levantado a bandeira de coração aberto e não só para provocar o adversário.

Bem, agora, uma prova de que o insulto (que não deveria ter de maneira nenhuma ocorrido em qualquer esporte) na verdade demorou para acontecer. Durantes as discuções e entrevistas que seguiram o episódio MUITAS pessoas citaram que isso é uma atitude inacreditável em uma quadra de vôlei, já que esse é o tipo de comportamento que se espera dos torcedores que futebol que é um esporte mais acessível. Foram simpáticos, mas estavam ressaltando que o futebol é esporte de pobre burro.

Dúvida:

Todo  mundo que vai ao estádio então é preconceituoso?

Parece que então o preconceito está muito mais inato ao ser humano do que este próprio pode imaginar. Já que mesmo tentando dizer que repudia tal atitude acaba aceitando-a em outra situação.

Ps: Só para constar, na terceira partida entre os dois times de vôlei que volta a ser em Minas, espero que o Vôlei Futuro ganhe de lavada. Não só para a torcida sair frustrada, mas para os jogadores que podiam ter paralizado a partida em protesto contra a própria torcida, verem o que é bom pra tosse!

April 11, 2011

Tiros no Realengo

Na manhã da última quinta-feira a notícia de um tiroteio chocou a mídia e a população, mais do que as corriqueiras notícias que envolvem o tráfico e seus assassinatos.

Um homem invadiu uma escola e atirou contra os alunos e professores.

Ainda se recupendo da morte do ex-vice presidente, a atual governante máxima do país, dá uma declaração, pede um minuto de silêncio e começa a chorar.

Ela é mãe e se tornou avó no final do ano passado, ainda durante a campanha eleitoral. Compartinhando a comoção da presidente, pais se emocionaram por todo país.

Primeiro quero exclarecer umas coisas: Não tenho intensão de minimizar a tragédia e também acretido que este seja um fato bastante difícil de se prever.  Mas a reação da presidente, assim como dos outros parlamentares e governantes me irritou.

É claro que o fato choca. Todavia me pergunto se os “desviadores de dinheiro”, os beneficiários deste desvio, todos os outros grandes e pequenos fraudadores também choram e ficam um minito em silêncio pelas 137 pessoas que são assassinadas TODOS OS DIAS, isso mesmo, TODOS OS DIAS no Brasil.

Será que essas pessoas não são conscientes que seus atos omissos e fraudulentos, também ilícitos, fazem com que as pessoas recebam uma educação de menor qualidade (quando recebem), que a polícia seja mal equipada, mal preparada e mal paga, que a saúde ande mais doente que os próprios pacientes, que o transporte público seja precário, que as rodovias estejam em pedição de miséria e que tudo isso se traduza em assaltos, agressões, assassinatos e intolerância?

Agora me diga senhor político ou servidor público que age de má fé, ainda lhe sobra cara de pau para se importar?

April 7, 2011

Ainda há esperança

Ontem na fila para retirar um exame vi duas atitudes bastante opostas e uma delas me suspreendeu.

Na primeira uma senhora com o ar aristrocático e aparentemente com mais de 60 anos entrou no laboratório e nem se preocupou em retirar a senha preferencial, simplesmente se postou do lado do único guichê que atendia o público e ficou ali, observando e atrapalhando o atendente.

Aquele atendimento demorou e a distinta e mal educada senhora afastou-se um pouco, após algumas cotoveladas da senhora que estava sendo atendida e que também aparentava ter mais de 60.

Creio que a pessoa que estava do outro lado do guichê percebeu que a madame não tinha retirado a senha e simplesmente chamou a próxima não preferencial,enquanto a primeira senhora ainda estava guardando as coisas no balcão. A pessoa com a senha chamada também já estava esperta em relação a furona, e se colocou de uma maneira que não havia como entrar em sua frente quando a outra paciente deixasse o balção.

Assim, a “bunitona” que poderia ter sido atendida com rapidez se tivesse obedecido as regras e retirado a senha preferencial, amargou uma ingrata, longa e desnecessária espera.  Bem feito para ela!

Enquanto tudo isso acontecia, uma mulher bastante idosa e com dificuldades para caminha entrou amparada por um homem também com bastante idade.

Eles passaram direto pela senha e o senhor conduziu a mulher até um dos bancos, antes que ele pudesse fazer menção de levantar, um guri de uns 13 anos parou na frente dele, e esticou um papel com uma senha.

A mãe do garoto parecia meio atonita já que ele foi tão rápido que ninguém conseguiu acompanhar, mas mesmo assim ponto para ela, que está criando um rapaz educado.

Desta maneira na mesma tarde as pessoas daquela sala de espera puderam notar dois opostos e em tempos de tiros por nada, ter esperança que uma nova geração mais bem educada esteja em formação.

April 4, 2011

Vida longa

Filed under: Tinha que ser comigo! — Bunny @ 2:32 am

Estou aqui com meus botões pensando em um turbilhão de coisas.

Ando com tempo extra para pensar, o que nem sempre é agradável. Digo que não é agora pois ando com as minhas realizações pessoais um pouco atrazadas.

É mais ou menos assim: quando era apenas uma linda e adoravel criança brincava de imaginar como seria minha vida em idades que eu não imaginava que um dia teria. Besteira ou não, alguns “anos de vida” pareciam tão distantes que tinha uma vida interia pela frente. Ledo engano.

Antes mesmo que eu pudesse sentar e dizer “ufa”, ultrapassei a idade que era minha favorita nas horas de imaginar.

Agora, sento, olho para o passado e vejo que eu estava me preocupando com coisas demais para ver minha vida passar. Nem tempo de ficar na janela olhando a banda deu.

Este é apenas um embaralhado desabafo, já que em data próxima dou mais um passo na linha da contagem da vida.

Next Page »

Create a free website or blog at WordPress.com.